Exportações: Portugal conquistou quota de mercado nos dez principais destinos europeus

O bom desempenho das exportações portuguesas está a verificar-se na generalidade dos mercados e não está concentrado no turismo.

As exportações portuguesas conquistaram, durante o ano passado, quota de mercado nos dez principais destinos europeus tanto ao nível dos bens como dos serviços, uma confirmação de que a melhoria de desempenho ao nível das contas externas é generalizada, não estando apenas concentrada em alguns países ou sectores.

(nota: no final poderá fazer download dos relatórios de análise do comércio internacional de Janeiro a Maio)

Ao cruzar os dados das exportações de Portugal para os seus clientes com o das importações totais realizadas por esses países, é possível verificar que, no que diz respeito aos países que mais compras fazem a Portugal (e que representam quase 70% do total das vendas portuguesas ao exterior), se verificou, em 2016, um aumento da importância dos bens e serviços nacionais.

O país onde Portugal conta com uma maior quota de mercado é, como seria de esperar, a vizinha Espanha, onde se registou no ano passado um valor de 4,83%. Em 2015, a quota tinha sido de 4,64%. O que isto significa é que, no ano passado, Portugal conseguiu não só aproveitar a retoma da economia espanhola, como ganhar algum espaço face a outros países concorrentes.

O mesmo fenómeno registou-se nos restantes país. Na França, o segundo principal destino das exportações portuguesas, a quota subiu de 1,35% para 1,45%, e na Alemanha o ganho foi bastante mais modesto, mas existiu, de 0,685% para 0,687%.

No Reino Unido, o quarto principal destino das exportações nacionais, o ganho de quota foi de 0,95% para 1,05%. Nos outros mercados que constituem o top-10 das exportações para a Europa – Holanda, Itália, Bélgica, Suíça, Irlanda e Luxemburgo – também se registaram ganhos.

Portugal está a perder terreno em Angola

Olhando para fora da Europa, para os três principais clientes portugueses, apenas um destoa no que diz respeito a ganhos de quota de mercado: Angola. Nos Estados Unidos e no Brasil, as empresas exportadoras portuguesas também conquistaram em 2016 terreno face aos seus concorrentes.

A tendência registada não é de agora. Recuando até 2010, o último ano antes da entrada de Portugal em recessão, é possível verificar que durante o período até 2016, entre os 13 países analisados — os dez europeus mais Angola, Brasil e Estados Unidos —, apenas na Alemanha os bens e serviços vendidos por Portugal não conseguiram conquistar quota de mercado. E mesmo nesse caso, a perda registada é marginal.

A economia portuguesa tem, desde o início da crise, tido nas exportações a sua fonte mais estável de boas notícias. Entre 2011 e 2013, com o consumo e o investimento a afundarem-se, as empresas portuguesas não tiveram outra solução que não fosse encontrar clientes no estrangeiro. Num cenário em que a inflação muito baixa em toda a Europa dificulta que haja grandes ganhos de competitividade por via dos preços, essa aposta no exterior terá sido um dos factores principais a explicar os desenvolvimentos dos últimos anos. Até porque, mesmo a partir de 2014, com o consumo a recuperar de forma moderada e o investimento a registar partidas em falso, voltar a depender da procura interna continuou a ser uma alternativa demasiado arriscada.

 

O peso do turismo

Para além disso, há o forte crescimento das receitas relacionadas com o turismo, que para as estatísticas das contas nacionais contam como exportação de serviços. Os dados mostram o país a bater a concorrência de outros destinos e a atrair cada vez mais estrangeiros. E, aqui, são os franceses a fazer entrar mais dinheiro na economia portuguesa, tendo ultrapassado o Reino Unido no ano passado.

De acordo com os dados do Banco de Portugal, as exportações de serviços de viagens e turismo cresceram 67% entre 2010 e 2016, atingindo os 12.680 milhões de euros no ano passado. E, entre os principais mercados emissores, a França foi o único que superou este ritmo, ao crescer 72%. No ano passado, os visitantes com cidadania francesa foram responsáveis pela entrada de 2277,3 milhões de euros, contra os 2266,8 milhões do Reino Unido. Segue-se depois a Espanha, com 1640,8 milhões de euros. Juntos, estes três mercados europeus valem quase metade (48,8%) do total arrecadado no ano passado.

Isso não quer dizer, no entanto, que os franceses dominem em termos de número de visitas e alojamentos turísticos, mas sim que gastam mais dinheiro. Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) referentes ao ano passado colocam a França em terceiro lugar, depois da Espanha e do Reino Unido. Segundo o INE, 36% dos franceses referem que o que os traz a Portugal é a “visita a familiares e amigos”, um factor que não deixa de estar ligado à questão da emigração de portugueses para este país.

De qualquer forma, mesmo tendo em conta a importância do papel desempenhado pelo turismo, não se pode concluir que é aqui que está a chave para os ganhos de quota de mercado. É que, quando se observam os dados referentes apenas às mercadorias, também aí se observa, de forma generalizada, um ganho de quota de mercado. A nível europeu, em apenas dois países isso não se verifica: Alemanha e Suíça. Em Espanha, pelo contrário, os ganhos nacionais até são maiores nos bens do que nos serviços.

Em 2017, até ao momento, as exportações continuam a crescer a um ritmo elevado, revelando que Portugal continua a conseguir aproveitar a recuperação da economia europeia. O Banco de Portugal prevê, aliás, que as empresas exportadoras continuem durante este ano a conquistar quota de mercado. Esta quarta-feira, o Instituto Nacional de Estatística (INE) publica os dados referentes ao comércio internacional de bens do passado mês de Junho.

fonte: público.pt

Documentação informativa

Comércio internacional serviços 2017

Comércio internacional de bens e serviços 2017